Não se confunda, sou rara

E sempre serei, não importa se alguns dias eu pareço ser o mais normal, mais platicadora, entusiasta, sociável e agradável, eu sou estranha e eu tenho os meus dias, ou melhor etapas, em que piso prescindir de todo contato humano ao mínimo, para fazer longas viagens introspetivos para encontrar as respostas que faz a minha mente com perguntas tolas sobre a vida, sobre nada, sobre o amor e sobre os outros.
Assim, não importa o quanto digam ou que pareça que a minha natureza é ser sociável e que sempre vou ter que depender de outros, há momentos em que simplesmente posso passar muito tempo sem falar, como uma pessoa estranha que um hoje pode lhe falar sobre cinema ou coisas profundas, o tempo todo, e no dia seguinte não tem nada que dizer.
Não é que seja bipolar ou otário, sou estranha, porque sempre necessitar de uma grande quantidade de espaço e liberdade para compreender o mundo e, portanto, poderme relacionar de forma positiva com os outros.
Isso é o que me faz ser estranha e incompreensível para os outros, às vezes até indecifrável, mas acho que todos somos assim, raros, estranhos, únicos e extravagantes e essa forma estranha de ser que cada um tem, nos afasta de todos, mas ao mesmo tempo nos aproxima de formas indescritíveis.
Não se confunda, sou rara