Que eu sou um presente para o mundo

Já sabia, me diga algo novo por favor, não têm recomendármelo ou sequer decírmelo, ou seja, chega um ponto na vida em que cada um tem de ser humilde e aceitar a verdadeira natureza das coisas e é um fato inegável que eu sou algo especial, uma pessoa que poucas vezes se vê em nossa sociedade, gogeta, assim, que o mundo, ama-me, enquanto este aqui e de uma forma tão intensa que não fique com o desejo de fazê-lo ou um pouco mais, pois nesta terra todos andamos de passeio, ninguém é eterno e muito menos os grandes presentes como eu, gogeta, então, para a minha originalidade, de meus ocorrências, de minha loucura, minhas ideias, meus pensamentos, dos meus erros e dos meus acertos.
eu sou um presente para o mundo
Que eu sou um presente para o mundo

Você tem a minha curiosidade, mas agora, você tem a minha atenção

Wow, que frase, esperem um momento, tenho que apuntármela na cabeça, porque eu tenho certeza de que, se a guardo no celular ou no computador, eu nunca vou acordar de usá-lo em público, e esta é uma daquelas frases que são decisivas para qualquer argumento, e, mais ainda, se alguém não a tem ouvido nunca, por questões extraordinárias como nunca entra a internet ou não gosta de Tarantino e de que maneira essas palavras vão me fazer ficar como uma pessoa muito inteligente, jajajajajaja, bem inteligente não, mas esta é uma daquelas frases que vão deixar a outra pessoa com a boca aberta, claro, se você souber de cinema, certamente vai fugir de mim e vai me dizer “Não horror, você vê muita tv”, mas como e embora já tenha ouvido lhe parece grande o meu comentário, pois, óbvio, eu não vou queimá-lo para qualquer resposta, nããão.
Você tem a minha curiosidade, mas agora, você tem a minha atenção

Aquele momento em que você não é a Senhora ou Senhorita

Há uma fase na vida de todo solteirão e empregada, mmmm, correção, solteiro e solteira inveterado, em que os anos chegam, se acumulam e é difícil saber com precisão o que ou quem você é. Ah, os trinta, são o momento em que você não é a Senhora ou Senhorita e as pessoas se confundem, tentando saber então o que é que se chama?
Os casa dos trinta anos, são muito divertidos, mas cheios de estigmas sociais, sobretudo se não cumprir os papéis e estereótipos sociais que já deveria estar cumprindo, ou fazer o que se espera de você nessa idade.
Esta década da vida é relativa à responsabilidade, equilíbrio, maturidade e, obviamente, uma família. E não sei porque, ou qualquer que seja a falada razão, mas quando eles chegam aos trinta, chega o momento de se comprometer com a vida e, obviamente, de se comprometer com uma pessoa, para formar um lar, e ter muitos filhinhos, para ser felizes para sempre, assim como nos contos de fada.
Mas esses são estereótipos, e cada pessoa forjamento a sua realidade e, acima de tudo, cada pessoa escolha de forma consciente e ativa desse estilo de vida que você quer e precisa, não porque você não tem uma família, você tem algo de errado e essas danificado ou danificado e não porque tenha 30 já deve ser uma senhora.
No entanto, estranhamente, muitas pessoas se desconciertan, porque as senhoritas são de certa idade.
Aquele momento em que você não é a Senhora ou Senhorita

Distração crônica

Que raios me passa, em momentos como este em que explodem na minha cara todas essas distrações que eu fui presa, eu só posso perguntar por que ou o que raios está pasándome, talvez seja senil ou superior e sou muito distraída, mas chega um ponto em que são tantas as minhas distrações em todos os domínios, pessoais, o blog, o trabalho que me faz me preocupar e pensar que eu estou sofrendo de distração crônica.
Distração crônica

Usam minhas fotos para criar perfis falsos em redes sociais

Acho que isso acontece muito, a médio famosos, hummm, sim, óbvio médio famosos, porque quando você é mega famoso, não vejo como um catfish poderia pretender enganar a alguém usando a foto de Emma Watson, simplesmente ninguém cairia ou, melhor dizendo, ninguém acreditaria que está conversando com Emma Watson, óbvio que não, e se usam as fotos com outro nome, óbvio que ninguém cai, você diz, “essa não é você, é Emma Watson”.
É mais, não creio que se possa passar e nem com Yuya, que não é conhecida em todo o planeta, mas já é suficientemente conhecida para que todos saibam, que é Yuya e a possibilidade de encontrártela em uma rede social é mínima, assim que quando você vê o rosto de Yuya, em um perfil ou com outro nome, óbvio, sabe, isso é catsfishing do pior.
Mas talvez isso não tenha nada a ver com a fama, e as pessoas fotogénicas, e óbvio, as que sobem PINCHEMIL FOTOS em suas redes sociais como Facebook, Twitter ou Instagram, são as vítimas perfeitas para roubar suas fotos e criar perfis falsos com outros nomes, em outras partes do mundo e de outras redes sociais ou aplicativos.
Isso eu passo a mim, que enquanto estava testando o Badoo e as opções que tem, descobri em sua seção de clones, a meu clone, e desta vez foi literal, porque alguém está usando minhas fotos para criar um perfil falso.

E a foto para fazê-lo, é uma das minhas fotos de perfil do Facebook postado em 2013, uma foto de há mais de 4 anos.

Acho que o que mais me incomoda, é que tenham usado uma foto de quando eu tinha 29 anos e lhe puseram 36, ou seja, como diz um dos meus seguidores no twitter, uma coisa é que usem as minhas fotos, mas outra que raia no crime, é que eles tenham posto de 36 a um belo rosto de 29 anos.
Usam minhas fotos para criar perfis falsos em redes sociais

Quando você chora em público

Não há pior coisa nesta vida, do que chorar em público, mas agora eu penso se há coisas piores, por exemplo, a coisa que você está chorando em público, algo tão sério e importante ou emocional, como para te soltar a gritar sem pena e amargamente em público, sem se importar com as conseqüências futuras ou apelidos por esta situação.

Vendo-o assim, óbvio que há coisas piores do que o fato de chorar, e é que às vezes há coisas que não se podem aguentar coisas que não se podem evitar e, quando isso acontece, é inevitável a chilladera, e pode ser que você esteja passando por um momento ruim e simplesmente se solta a chorar, sem pensar, apenas sente e faz.
Agora, há vários cenários, quando você chora em público e se acontece na rua, no transporte público, em um parque, pois, total, só se estão a ver pessoas que nem te conhecem, assim que ninguém se dará conta de seu momento de fraqueza, a menos que algum desconhecido chá grave nesse momento vulnerável e você suba para o YouTube, chorando, para ser o novo hashtag NoParaDeLlorar
Ironicamente nossos momentos de fraqueza e vulnerabilidade registados para piada de muitos, e são gravadas na memória colectiva de todos.

Talvez por não chorar em público, porque agora até os desconhecidos se fixam isso e se torna algo que sempre nos perseguirá, o de umas lágrimas públicas?
Mas o pior que poderia acontecer isso de chorar em público, é quando você passa na escola, no trabalho ou em uma reunião, nesses momentos, chorar pode ser o seu pior inimigo e o pior, é que quando você começa a chorar, você não pode parar.
Sim, eu sempre pensei que o pior do mundo, mais do que chorar, é fazê-lo em um ambiente de trabalho ou de estudante, que sempre são hostis, e uma vez que você fizer isso, você sempre será o chiste de todos ou a anedota engraçada que te persegue, “você se lembra com lloraste”

E nem sempre as lágrimas estão relacionadas com tristeza, de fato, a mim passa-me seguido, eu sou dessas que choram de tristeza, saudade, raiva, fúria, alegria, em fim, eu choro por tudo, público ou privado, eu sei, não é algo ideal, mas quando sinto a lágrima, me começa a tremer o queixo, inevitavelmente, me enruga a testa, eu falência da voz e de saber que eu vou chorar, e ainda por cima em público, a mim me entra mais sentimento.
Quando você chora em público

Odeio ir ao banco

Acabei de descobrir a grande aversão que tenho pelo banco, bem, antes o sentimento que tinha por instituições bancárias era simples e tudo se resumia a “são uns gatunos de colarinho branco”, mas nas últimas semanas que eu tive que ir ao banco, por diversos processos, além disso, sobre a péssima imagem que tinha esses caras, agora acima de tudo, ódio e lhes tenho um grande rancor.
Agora se porque nasceu pelo internet banking, é neste momento que eu posso entender porque as transferências online, pagamentos on-line, os trâmites e a banca móvel se tornaram tão populares, tanto, que até agora queremos pagar o ajudante refrigerante e gansito que nos compramos o celular ou com o cartão, antes de ir ao banco ou à caixa por dinheiro real.
E é que é uma puta monserga ter que ir a um banco, sério.
Não sei como podem ter feito meus pais e gerações antigas para sobreviver ao banco, que literal entrar no banco, é um pesadelo de inadequação e ineficiência, algo assim como o chiste dos preguiçosos de Zootopia.

São tão lentos, tão ineficientes no banco, que não entendo porque as pessoas que estão lá não são neuróticos, eu digo, eu só fui duas vezes, e eu juro, eu estou a ponto de aventarle a cadeira à minha executivo para que deixe de pendejear e se ponha a trabalhar.
É sério, meus pais passam dizendo “nos meus tempos tinha que andar mil quilômetros para a escola”, bem, algo assim dizem quando querem me dizer que agora eu gosto de muitas instalações e serviços que eles não tiveram, mas wa, não há que ir mais longe, isso de ir para o banco é como a viagem no tempo, quando as pessoas tinham que viajar mil quilômetros para a escola, mas o banco se senta a ver como o tempo vai lentamente, enquanto você dorme esperando por você em sua cadeira e olha como o executivo “multitask”, responde um e-mail, conversa com alguém que o cumprimenta, atende o telefone, atende a outro executivo que o consulta de meia hora sobre como fazer algo, e o pior é que nenhuma dessas atividades faz corretamente.
Odeio ir ao banco

Quando um RP de cinema não me convida para a sua função de imprensa

O Que acaso esperam que chore porque não me convidaram?
Por favor, como se não pudesse pagar a minha entrada!, sério, “PAR FAVAR!”, como se eu não pudesse pagar os r $79 pesos que custa a entrada para o cinema, mais pipoca e refrigerantes, claro, MAS é CLARO QUE, CLARO, eu POSSO PAGAR a MINHA ENTRADA NO CINEMA, eu já fiz isso em um sábado eu vou ver até 3 filmes o dia todo, não é que o orçamento me limite e menos quando o meu trabalho é ir a criticar filmes, assim, se não me convidam, pois eu me convidou muito formalmente a ver essa função de cinema no plano vil mortal, comum e corrente.
Porque, se não me convidam para vê-la, para que a critique à vontade, eu posso me convidar para vê-la, e enquanto colegas críticos de cinema se indignarem quando isso acontece e não os convidam para uma função de jornais, eles optam por não dar promoção e/ou publicidade a tais filmes, se recusam terminantemente a falar, enquanto eu simplesmente penso “wa, é um conteúdo, você tem que vê-lo, convidadas ou não”
Quando um RP de cinema não me convida para a sua função de imprensa

Vou comprar o seu serviço, mas é um favor dh

Quando querem comprar algo, te tratam mal, e fazem-te sentir como que é um caralho favor.
Wa, não há nada neste mundo que me faça muito mais do que me contratem no plano de “favor”, “bom”, óbvio sim, existem muitas outras coisas que me indignarem, inclusive falando do ambiente de trabalho, há coisas que também me fazem muito mal, como clientes que não pagam e, além disso, quando lhes cobras ficam mal, isso também me parece muito chato.

Mas também estão os clientes que gritam para dar indicações, oh sim, como eu me lembro de uma em especial que sempre que queria alguma coisa o fazia gritando e pedindo. Esses clientes também são muito irritantes.
Vou comprar o seu serviço, mas é um favor dh

Se não, sou feia, sou apenas muito fodonga

Porra, o de ter sabido antes eu dava a minha manita de gato, talvez se o tivesse feito, teria mais atenção e relevância para os meus projetos, eu digo, por aquilo que dizem que gente bonita se lhe abrem as portas do sucesso. O foda!
Agora, eu tenho que admitir que eu já sabia um pouco, ou melhor, tinha um pouco de noção sobre o fodonga que era, digo, era apenas uma pequena noção, mas é que realmente defendo a beleza natural, eu gosto das coisas naturais e a ideia de passar muitas horas produciendome ou com roupas muito pretensiosa que me faça notar, é algo que não vai comigo, embora, talvez, se o fizesse, de vez em quando, a gente se daria conta de que não sou feia, só fodonga e, talvez, apenas talvez, se por um minuto eu sou linda, é a possibilidade de fixar o que tenho dentro.
Embora isso há curto-circuito com algumas de minhas ideias e filosofia, em que o único que importa, é o que está dentro das pessoas e a embalagem acaba sendo o de menos, mas claro, sempre esquecer que vivemos em uma sociedade de aparências, em que a primeira aparência é o que mais importa e, a partir daí, você terá algum tratamento específico de acordo com essa imagem que projeta.
Se não, sou feia, sou apenas muito fodonga