O que é uma estrutura pré-fabricada?

Os pré-fabricados de concreto têm ganhado cada vez mais espaço na construção civil. Não sabe, ao certo, o que eles são? Sem problemas: veja essa informação aqui e saiba quais são seus principais benefícios.

 

 

O que é um pré-fabricado?

 

Trata-se de uma estrutura fabricada em concreto, como um pilar, viga, parede, laje, entre outros. Tais estruturas são produzidas em indústrias e seguem normas rígidas de qualidade estabelecidas pela ABNT.

 

Curiosamente, os pré-fabricados são bastante utilizados em construções industriais, mas aos poucos vêm ganhando espaço em obras residenciais e o motivo disso é que eles proporcionam excelentes benefícios em curto e longo prazos.

 

 

Benefícios do uso de pré-fabricados

 

  1. Alta qualidade das estruturas, o que garante construções robustas, resistentes a danos e com acabamento diferenciado;
  2. Redução drástica de mão de obra e do desperdício de materiais em construções, porque as estruturas utilizadas para a edificação já estão prontas;
  3. Eliminação da geração de entulho e garantia de um canteiro de obra melhor organizado;
  4. Redução significativa do tempo de obra (cerca de 25%), porque todas as estruturas foram previamente fabricadas;
  5. Minimização do risco de o custo da obra sofrer alteração no decorrer da construção.

 

Diferença entre pré-fabricados e pré-moldados

 

Ao investir em uma obra, é comum se deparar não somente com o termo pré-fabricado, mas também com o pré-moldado. É aí que surge a dúvida: afinal, qual a diferença entre eles?

 

Curiosamente, os pré-moldados de concreto e os pré-fabricados são quase a mesma coisa. Ambos são estruturas prontas utilizadas em construções, mas existe uma diferença fundamental entre eles.

 

O pré-fabricado é, necessariamente, produzido industrialmente, enquanto o pré-moldado é fabricado dentro do canteiro de obras, por uma equipe técnica especializada.

 

Um detalhe importante é que tanto o pré-fabricado como o pré-moldado são produzidos seguindo normas rigorosas da ABNT, de modo a assegurar a excelência e segurança às estruturas utilizadas na obra.

Apneia do Sono: o que você precisa saber

apneia do sono

A apnéia do sono se manifesta por paradas involuntárias da respiração, “apneias”, que ocorrem durante o sono. A apnéia do sono geralmente ocorre em pessoas que estão acima do peso, idosos ou que estão roncando muito.

Estas pausas respiratórias duram, por definição, mais de 10 segundos (e podem chegar a mais de 30 segundos). Eles ocorrem várias vezes por noite, com frequência variável. Os médicos consideram que são problemáticos quando há mais de 5 por hora. Em casos graves, elas ocorrem até mais de 30 vezes por hora.

Estas apnéias interrompem o sono e resultam principalmente em fadiga ao acordar, dores de cabeça ou sonolência durante o dia.

Enquanto a maioria das pessoas com apnéia do sono ronca alto, o ronco e a apneia não devem ser confundidos. O ronco não é considerado um problema de saúde em si e raramente é acompanhado por pausas respiratórias. Pesquisadores estimam que 30% a 45% dos adultos são roncadores regulares. Veja nossa planilha Snoring para mais informações.

 

Causas da apnéia do sono

Na maioria dos casos, as apnéias ocorrem devido ao afrouxamento dos músculos da língua e da garganta, que não são suficientemente tônicos e bloqueiam a passagem do ar durante a respiração. Assim, a pessoa tenta respirar, mas o ar não circula por causa da obstrução das vias aéreas. É por isso que os médicos falam sobre apneia obstrutiva ou síndrome da apneia obstrutiva do sono (SAOS). Essa frouxidão excessiva é especialmente importante para os idosos, cujos músculos são menos tônicos. As pessoas obesas também são mais propensas a dormir apnéia porque o excesso de gordura no pescoço diminui o tamanho das vias aéreas.

Mais raramente, apnéias são devido a um mau funcionamento do cérebro, que deixa de enviar a “ordem” da respiração para os músculos respiratórios. Neste caso, ao contrário das apnéias obstrutivas, a pessoa não exerce esforço respiratório. Isso é chamado de apnéia do sono central. Este tipo de apneia ocorre principalmente em pessoas com uma doença grave, como doença cardíaca (insuficiência cardíaca) ou uma doença neurológica (por exemplo, meningite, doença de Parkinson …). Eles também podem aparecer após um derrame ou em casos de obesidade muito significativa. O uso de pílulas para dormir, narcóticos ou álcool também é um fator de risco.

Muitas pessoas têm apnéia do sono “mista” com apnéia obstrutiva e central alternada.

A freqüência de apneia do sono é muito alta: é comparável a outras doenças crônicas, como asma ou diabetes tipo 2. A apnéia do sono pode afetar adultos e crianças, mas sua freqüência aumenta fortemente com a idade.

É 2 a 4 vezes mais comum em homens do que mulheres, antes de 60 anos. Após essa idade, a frequência é a mesma para ambos os sexos6.

A estimativa da prevalência varia de acordo com o grau de gravidade considerado (número de apneias por hora, medido pelo índice de apnéia-hipopnéia ou IAH). Alguns estudos na América do Norte estimam a frequência de apneia obstrutiva do sono (mais de 5 apnéias por hora) em 24% para homens e 9% para mulheres. Cerca de 9% dos homens e 4% das mulheres teriam uma forma moderada a grave de apneia obstrutiva do sono 1,2.

 

Complicações possíveis

A curto prazo, a apnéia do sono causa fadiga, dores de cabeça, irritabilidade … Também pode incomodar o cônjuge, porque muitas vezes é acompanhado por roncos sonoros.

A longo prazo, se não for tratada, a apneia do sono tem muitas consequências para a saúde:

Doenças cardiovasculares. A apnéia do sono aumenta significativamente o risco de doença cardiovascular por meio de mecanismos que não são totalmente decodificados. Sabe-se, no entanto, que cada pausa respiratória provoca uma deficiência de oxigenação do cérebro (hipóxia), e que cada despertar repentino provoca um aumento na pressão arterial e no ritmo cardíaco. A longo prazo, as apnéias estão associadas a um risco aumentado de problemas cardiovasculares, tais como: hipertensão, acidente vascular cerebral, infarto do miocárdio (ataque cardíaco), arritmias cardíacas (arritmia cardíaca) e insuficiência cardíaca. Finalmente, em caso de apnéia significativa, o risco de morrer repentinamente durante o sono é aumentado.

Depressão. Falta de sono, fadiga, necessidade de cochilos e sonolência estão associados à apneia do sono. Eles diminuem a qualidade de vida das pessoas afetadas, que muitas vezes sofrem de depressão e isolamento. Um estudo recente mostrou ainda uma ligação entre a apnéia do sono e o comprometimento cognitivo em mulheres idosas.

A apneia do sono também pode resultar em uma maior propensão de acidentes, particularmente no trabalho e em automóveis.

 

CPAP e apneia do sono

CPAP é usado para manter caminhos respirando quando você dorme. Um pequeno insuflador de ar localizado na máquina de CPAP expele o ar através de um tubo flexível. O tubo está ligado a uma máscara cpap que é colocada no nariz, ou no nariz e sua boca, quando você dorme. Circulação de ar constante o tubo impede as vias aéreas do nariz e da garganta de encolha assim sua respiração não será interrompida

A pressão positiva contínua, como o nome sugere, fornece um fluxo de ar a uma pressão contínua que mantém as vias aéreas abertas.