Chega a um ponto em que já não quero escrever

Mas nada, absolutamente nada, chega o ponto em que seca meu cérebro por completo e toda essa genialidade, faísca e brilho se dissipa, como se em vez de ter um QI de 128 pontos fora apenas de 60, sem cultura, sem talento e sem ideias, jajajajaja, daquelas vezes que só terminou com a combinação de caracteres, a vil wa, daquelas vezes que só digo estupidez e coisas óbvias que até um macaco poderia ver, e não, não é engraçado esse bloco criativo que inevitavelmente chega depois de 5 horas de digitação.
A menos é claro, que me forcé 15 minutos depois de 5 horas a escrever e então volte a minha toda a sapiência, idéias e histórias que me caracterizam, gogeta, eu e outra de minhas queixas pendejas, mas eu juro que isso, os trabalhos intelectuais que requerem o cérebro, a criatividade e o engenho para escrever em não menos de 500 caracteres, mas não mais de 999 uma ideia criativa e original, torna-se um dos trabalhos mais difíceis do mundo. Isso de ser escritor e contar algo ao leitor de uma forma inteligente, eloquente e divertida, torna-se um desafio, um muito difícil que depois de algumas horas torna-se mais complexo e complicado, mas claro, isso é como desvelarse e existe um ponto, um limite em que é muito fácil deixar de dormir.
Quando você tem entre 3 e 4 horas, por isso sente o cansaço extremo, mas quando você chegar às 5 ou 6 horas, se torna tão fácil estar desperto que já nem se dá conta que você dormindo, porque assim o mero isso acontece de escrever, em um ponto pode ser que você já sabe que não tem nada, absolutamente nada o que dizer, mas quanto mais você digita descobrir que, afinal, ainda existem coisas que não foram ditas.
Pode ser difícil isso de escrever, mas quando você gosta de fazê-lo, até mesmo escrever sobre temas impostos por algum editor é relativamente simples e você só precisa de uma ideia, fontes e experiências de vida para que os caracteres se sobraram. O único que você tem que fazer é superar esse nível e vencer a preguiça mental, digo, no meu caso, sempre que estou em frente ao monitor, a ponto de escrever, meu cérebro é colocado em modo de rebelde e que se recusa a fazê-lo, tanto que, às vezes, quando estou em plena convicção de escrever o livro e os artigos do blog, eu só posso pensar que não tenho nada que dizer, já não quero fazê-lo e que eu tenho que distraerme alguns minutos com algo mais, assim que a cada dia se torna mais difícil, por não dizer impossível isso de escrever. Isto de ser escritor é muito complicado e, obviamente, o salário não ajuda, jajajajajajajaja, a menos que o tragas sangue e se nesta vida é que nasceste para escrever, nada nem ninguém o pode impedir, muito menos bloqueios criativos, preguiça mental ou levar 7 horas contínuas, escrevendo, simplesmente, as palavras fluem com tanta rapidez e com maior qualidade do que quando começaram.
Sobrepasadas as cinco horas, longe de estar parado apenas estas aquecer os motores e pronto para escrever sobre qualquer coisa, desde coisas que você gosta e gosta de temas mais complexos e elaborados.
Realmente não me custa nada passar 10 horas sentada em uma cadeira, escrevendo, de fato essa é a minha visão do paraíso e a melhor maneira de passar o tempo, escrevendo, porque eu amo fazer isso.
Chega a um ponto em que já não quero escrever